sexta-feira, 27 de junho de 2008

Enc: "EXTINTA no Recanto das Letras





--- Em sex, 27/6/08, Territorio Mulher: Ana Maria C. Bruni
 

MEXENDO NO VESPEIRO

(dois dedinhos de prosa com Elaine Colonhezi, em Maringá/PR)

"EXTINTA

Ana Maria Bruni

Eu, Mulher
Fecho minhas pernas
Bloqueio meu ventre
Seco meu peito
Enrijeço minhas mãos
Calo minhas palavras
Deixo meus braços junto a meu corpo
Meus pés não caminharão
Não guerrearei
Emudeço minha voz
Desapareço
Extinta
E então Homem,
Verás e sentirás
Que não terás mais prazer
Que não gerarás filhos
Que sua casa se tornará um caos
Não serás abraçado
Nem ouvirás doces palavras
Não terás auxilio no labor
Nem quem empunhe a espada ao teu lado
Caminharás só,
Caminharás só,
Caminharás só,
Como um animal em extinção
E serás exterminado,
porquanto me exterminaste primeiro."

Grato pela peça literária remetida. Gosto do poema enquanto exemplar estético e procriador de idéias. É um bonito exemplar: o rescaldo das contemporaneidades.

Os versos nele contido têm alma de combatente. Entretece armas até o extermínio, em nome do subjetivo amor, na visão lírica de quem não quer ou teme suportar o sofrimento decorrente do amar.

Fico com Fernando Pessoa: "Ninguém ama /senão o que de si há no outro/ ou é suposto". Ama-se, enfim, a si próprio dentro do outro. A repetição do espelho de Narciso ao ver refletida a sua imagem na água do lago.

E o sofrimento não é da natureza da possessão do AMAR? Não é a materialização da impossibilidade imediata da posse do outro?

Preocupa-me, no mérito, com o que está contido no poema. Euzinho – enquanto homem – o 'exterminador possessivo', segundo a autora. O impossibilitado de gerar pelo extermínio de si e da parceira. O impossibilitado de procriar, o 'sem descendência' em nome do jogo viril da relação amorosa contemporânea.

"EXTINTA" é um poema realista e fala a linguagem da chamada 'nova mulher' – aquela que compete em tudo com o exemplar masculino e que parece pretender socavá-lo.

É a esta competitividade que adere o naipe feminino da contemporaneidade – via publicização e fortalecimento do inconsciente coletivo.

A mesma mulher que, para vir a ganhar quinhentos reais, paga salário semelhante a uma babá que sequer sabe ler uma historieta para o filho da mãe. Que ao bichinho humano nem oferece o livro para que este tenha a sensação tátil do objeto. Simplesmente porque o livro não faz parte de seu universo de afetos, atenções, entendimento e costumeiros usos.

Este rebento é mais um que na idade de quatro anos já é excluído da massa de leitores que escolherão os futuros governantes que decidirão sobre o seu próprio destino... Como quer Brecht em "O analfabeto político".

E esta criança, principalmente se do espécime masculino – não iniciado desde cedo no hábito da leitura – nunca compreenderá a possibilidade de 'extermínio' a que se expõe a mulher na idade núbil, nos entreatos lúdicos do amar.

Assunto difícil e polêmico para um poema, não?

Mas isto é da natureza da Poesia: nunca dar respostas e, sim, instaurar perplexidades, discussões...

Bem parecido com a natureza do amar sem medidas, aquele que exclui todos os extermínios, porque é razão de vidas e de futuros.

– Do livro CONFESSIONÁRIO – Diálogos entre a Prosa e a Poesia, 2006 / 2008.
http://recantodasletras.uol.com.br/ensaios/1052571
Joaquim Moncks
Publicado no Recanto das Letras em 26/06/2008
Código do texto: T1052571


Novos endereços, o Yahoo! que você conhece. Crie um email novo com a sua cara @ymail.com ou @rocketmail.com.

Nenhum comentário: